31.8.09

Lixo como fonte de trabalho e dignidade

O Lixo como fonte de trabalho e dignidade

A “catação de lixo” não é um fenômeno brasileiro.
Assim como aqui os indivíduos que se dedicam a esse trabalho são chamados catadores, no México são chamados de pepenadores, na Argentina são conhecidos como cartoneros, no Peru são chamados de moscas.

Cada país na América Latina tem um termo próprio para designar os catadores de lixo e, em certos países, seu número está crescendo. Eles podem ser vistos separando sacos de lixo nas calçadas das cidades, parques públicos ou junto a supermercados e residências.

Alguns puxam carroças que pouco a pouco vão enchendo com garrafas plásticas ou latas de alumínio. Homens, mulheres e crianças participam dessa atividade. Em certos países, famílias inteiras de catadores de lixo vivem em cortiços ao lado ou no alto de aterros sanitários que lhes garantem sua única fonte de renda.
A Associação Brasileira de Alumínio (ABAL) calculou que cerca de 150 mil pessoas ganharam a vida em 2002 coletando latas de alumínio no Brasil. A maioria delas realiza esse trabalho de maneira informal, ou seja, sem o reconhecimento do Estado e, portanto, sem garantia de direitos.

Isso se torna preocupante, se pensarmos que a catação de lixo está entre as ocupações mais perigosas e socialmente marginais. Por meio da constante exposição a materiais perigosos e fumaças tóxicas nos aterros, os catadores de lixo estão submetidos a um alto risco de acidentes e doenças. Devido a sua associação com o lixo, essas pessoas tendem a ser menosprezadas.

Entretanto, a perspectiva para os catadores de lixo está melhorando. Nos últimos anos, eles começaram a se organizar em diversas partes da América Latina para melhorar suas condições de trabalho e por fim o seu status de cidadãos de segunda classe. Em muitas cidades, os catadores se reuniram em cooperativas, que lhes permitem coordenar suas atividades com os órgãos sanitários municipais e negociar preços melhores com os intermediários.

Para saber um pouco mais sobre a relação das pessoas e o lixo na cidade de Santa Maria, assista a reportagem feita pela TV Câmara:





A reciclagem traz muitos benefícios, entre eles:

  • gera receitas reais para centenas de milhares de pessoas e com isso ajuda a reduzir a pobreza;

  • propicia um meio surpreendentemente eficaz para reutilizar recursos valiosos, reduzir custos para as indústrias domésticas e melhorar a competitividade econômica;

  • reduz a quantidade de lixo que é descartada, diminuindo com isso a poluição e beneficiando o meio ambiente.

Por todos esses motivos, a reciclagem informal tem potencial para ser uma forma de desenvolvimento sustentável.

O que é necessário é um compromisso dos governos no sentido de apoiar os catadores de lixo, garantindo-lhes que não sejam explorados nem menosprezados e fornecendo-lhes serviços sociais essenciais.
  • Você sabe que tipo de iniciativa governamental vem sendo tomada para melhorar a vida dos “catadores” em nosso país?
  • E em sua cidade? Você sabe o número de catadores existentes e quantos deles estão ligados a empresas ou cooperativas?

Fonte consultada: Banco Interamericano de Desenvolvimento

Dica: Pâmela Marconatto Marques
Coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Monografia - FADISMA

Saiba mais:

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Veja todas as postagens

Desenvolvimento e Gestão do Blog: Zope Mídia

  © Free Blogger Templates 'Greenery' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP