26.7.09

Histórico


  • Patrocinadores da 2ª fase do projeto e suas ações:


Práticas Sustentáveis - Colégio Marco Polo

Ações realizadas pelo Colégio Marco Polo:

- Projeto Eco Kids
- Projeto Reciclando Brincadeiras


Reaproveitamento em Aula de Artes

A professora de Artes Visuais Goreti Cortes Mendonça, do Colégio Marco Polo, desenvolve várias ações baseadas no grande eixo temático do Colégio: Sustentabilidade.

Sob esse enfoque, lançaram uma campanha envolvendo os alunos do 5° ano, responsáveis por encabeçar a coleta de lixo eletrônico e lixo seco na escola.



Reaproveitando lixeiras que não eram usadas, ressignificaram artisticamente esse material, tornando-as visualmente atrativas de maneira a estimular o engajamento das demais turmas na destinação adequada ao lixo.

Também, como forma de introduzir o pensar sobre o consumo, a professora criou estratégias de desenvolver produções artísticas usando recicláveis como matéria prima, propondo que os alunos tragam embalagens das suas casas que iriam para o lixo. Assim diminuem o uso de papel, tela e outros suportes tradicionais e exploram suportes tridimensionais.

Forma legal de reduzir, reaproveitar e dar novo significado a materiais desenvolvendo a criatividade e imaginação.

Depoimento da Diretora do Colégio Marco Polo

Na fala de Clarice Xavier, diretora do Colégio Marco Polo, que adotou o tema sustentabilidade como linha pedagógica, se torna perceptível o envolvimento pessoal e preocupação em educar para além da escola.

O educar para promover mudança social, no sentido de garantir a vida das futuras gerações.





Por que reciclar cartuchos de impressão?

Hoje, infelizmente, ao contrário do resto do mundo,  menos de 5% do setor público utiliza cartucho remanufaturado. 


A qualidade de um cartucho remanufaturado por uma empresa que pratica a remanufatura  e não a recarga,  é similar ao original e polui 100 vezes menos o meio ambiente, custa até  70%  menos e  emprega  mão de obra local.


Motivos para Reciclar: 


  • Uso racional dos recursos naturais

Uma das matérias primas do cartucho é o plástico, este material leva mais de 400 anos para desintegrar se abandonado no meio ambiente. Portanto ao encaminhar o cartucho para reciclagem você está  reaproveitando um material poluente, que pode ser reutilizado várias vezes antes de ser descartado.

  • Gera empregos: 

As empresas de reciclagem de cartuchos empregam aproximadamente no Brasil cerca de 300.000 pessoas. Movimentando a economia e contribuindo desta forma para o desenvolvimento regional e do país.


  •  Economia de petróleo:

Para fabricar um cartucho de Inkjet/Toner é necessário, em média de 2 a 5 litros de petróleo.


  • Redução de resíduos e lixo:

A reciclagem reduz resíduos sólidos e com isso são economizados mais de 38.000 toneladas de plástico e metal a cada ano,  reduzindo o volume de lixo não biodegradável;

  • Redução de custos:  


Ao reutilizar, você reduz os custos envolvidos na produção e comercialização que podem chegar a 60% do valor do novo.

  •  Responsabilidade Social:

Empresas formalmente constituídas e que investem em controle de qualidade, contribuem assumindo compromisso com a proteção ambiental e destinação adequada de resíduos.

  • Destinação de Resíduos Tóxicos. 

DPI Soluções sempre pensando no meio ambiente e na sustentabilidade de nossos produtos e serviços, destina corretamente todos os seus resíduos tóxicos provenientes do processo de remanufatura de cartuchos e toners a uma empresa terceirizada RTM - Empresa especializada no serviço de coleta de resíduos especiais. Empresa licenciada e credenciada pela FEPAM (Fundação Estadual de Proteção Ambiental).

Além disso a DPI dispõe de Licença de Operação da Secretaria do Meio Ambiente do Município, configurando sua atuação como empresa amiga do meio ambiente, atendendo todos os padrões ambientais.


Como aliar economia, sustentabilidade e impressão?

Você sabia que uma em cada seis páginas impressas vai para o lixo sem que ninguém leia? Este é um exemplo do que acontece na maioria das empresas nas quais o mesmo documento é impresso várias vezes por setores diferentes.

Esta pequena atitude acaba refletindo tanto na parte financeira quanto na responsabilidade ambiental da empresa.


Como mudar esta cultura e gerar benefícios para todos?

Separamos algumas dicas que além de ajudar a organização no seu compromisso com a sustentabilidade, também podem gerar benefícios econômicos através da redução de custos com impressão:

1. Estima-se que 70% das organizações não saibam o quanto gastam com impressão.Normalmente isso acontece pelo uso de equipamentos inadequados e até mesmo pela falta de consciência dos colaboradores. A otimização através da arquitetura de equipamentos pode ser uma das soluções, já que reduz custos gerais de suporte e dos processos administrativos e de logística.

2. Utilizar dispositivos adequados nos lugares certos, garante que o volume de impressão seja no momento oportuno e na quantidade correta. Apenas isto pode gerar em torno de 30% de economia nos custos da empresa.

3. Para ter certeza que sua empresa está contribuindo para um mundo sustentável e que ainda não tenha gastos desnecessários, certifique-se muito bem se seus fornecedores estão aptos de fato para entendem suas necessidades.

4. A DPI Soluções apresenta uma fórmula de reduzir custos de impressão - terceirização. Terceirizando esses serviços, você prioriza e foca nos seus negócios, sem disperdiçar tempo e dinheiro com operações alheias aos objetivos corporativos.

5. Através de software reduza seus custos de impressão em até 30% e obtenha total controle de suas impressões. O print system é um exemplo que a DPI Soluções trabalha, que pode monitorar todas as impressões feitas a partir dos computadores de sua empresa, seja em impressoras locais, compartilhadas ou na rede (IP).

6. Porém, de nada adianta adotar todas essas atitudes sem a conscientização e adesão dos colaboradores de todos os setores da empresa. É importante que toda a organização esteja ciente da importância da política de responsabilidade ambiental da corporação e como cada um pode ajudar na economia de recursos naturais.

Por que usar papel reciclado?

Nota-se que algumas empresas começaram a utilizar aquele papel mais escuro, de cor creme, diferente da tradicional folha branca, ou seja, o papel reciclado.

Algumas organizações tem-se mostrado preocupadas com a sustentabilidade e o meio ambiente, mas ainda falta a conscientização de diversas pessoas e corporações.


Quais as vantagens de usar papel reciclado?

Uma das principais vantagens é a diminuição do impacto ao meio ambiente, já que reduz a utilização de corte de árvores para produção de papel e mantém a vida útil de cerca de 15 a 30 árvores.

Além disso, alguns processos de reciclagem podem economizar água e energia, o que também contribui na economia de processos, conseqüentemente dos recursos naturais.

Quanto aos custos, logo que o papel reciclado começou a ser utilizado no Brasil, seu custo era muito superior ao papel comum, contudo, com o passar dos anos, esta diferença diminuiu drasticamente.

É claro que trocar papel branco pelo reciclado, não garante a sustentabilidade da sua empresa, mas é um bom começo! Há algumas outras dicas básicas ajudarão a transformar seu ambiente corporativo em espaço “ecologicamente correto”:

Dicas:
  • Imprima apenas o necessário;
  • Observe seus materiais de escritório, procure usar lápis com madeira certificada e canetas com componentes que não agridem o meio ambiente;
  • Utilize ao máximo as folhas: imprima em ambos os lados, crie blocos de rascunho usando folhas de relatórios antigos;
  • Doe seus papéis usados a uma associação de recicladores;
  • Desligue o computador por completo quando não for utilizá-lo mais, na hora do almoço por exemplo ou em alguma pausa no trabalho, deixe o monitor desligado;
  • Utilize cartões de visita de papel reciclado.

São pequenas ações como essas, que fazem com que aproveitemos ao máximo nossos recursos e nos fazem contribuir substancialmente na manutenção dos sistemas naturais.



Práticas Sustentáveis da DPI

DPI pensando no meio ambiente e na sustentabilidade dos serviços, tem nos seus procesos a destinaçãocorreta de todos os resíduos tóxicos provenientes da remanufatura de cartuchos e toners.

A coleta é feita pela empresa RTM, especializada na coleta de resíduos especiais. Empresa licenciada e credenciada pela FEPAM (Fundação Estadual de Proteção Ambiental).




Além disso a DPI dispõe de licença de operação da Secretaria do Meio Ambiente Municipal, sendo vista como empresa verde, atendendo a todos os padrões ambientais.




O que fazer com os cartuchos vazios?



A natureza sempre foi atingida pela evolução tecnológica, já que muitas vezes, a falta de consciência e informação faz com que as pessoas descartem inadequadamente equipamentos que não possuem mais utilidade.

Um exemplo é o cartucho vazio quando perde sua utilidade, que se descartado indevidamente, pode trazer danos ao meio ambiente. Estima-se que cada cartucho possa levar cerca de 100 anos para se deteriorar na natureza.


Pensando nisso a DPI oferece à seus clientes e parceiros a opção da remanufatura que na verdade é a reutilização do cartucho vazio que seria jogado fora, e lhe dá um novo ciclo de vida. Gerando uma economia média em até 60% do " valor " do cartucho original, além de diminuir o consumo dos recursos naturais. Você pode reaproveitar ematé 20 vezes cartuchos de boa qualidade, pois o que determina seu ciclo máximo é o cuidado na hora de terminar a tinta, ou seja, ao primeiro sinal de falha de impressão encaminhe-o para remanufatura.

A DPI é Ponto de Coleta de Cartuchos Inservíveis
Estendemos a comunidade o que já fazemos a nossos clientes. Somos ponto de coleta de cartuchos vazios inservíveis e sem possibilidade de remanufatura (estragados). Jamais jogue no lixo comum seu cartucho vazio. Existem componentes tóxicos, é fabricado com plástico e cobre e demora até 100 anos para se decompor. Sendo assim não deixe de ir até a DPI Soluções em impressão para deixar seus cartuchos e fazer a sua parte pelo meio ambiente.


Existem outras opções de descarte que os próprios fabricantes oferecem:

Muitas empresas atentas disponibilizam pontos de coleta no Brasil inteiro (consulte o site do seu fabricante). Em geral os cartuchos recolhidos são desmontados e tem suas peças separadas de acordo com o material que será transformado em matéria-prima para uso em outras indústrias ou são reaproveitados de alguma forma pela própria organização.

A Brother conta com um programa de reciclagem no qual os usuários podem enviar seus cartuchos ou toners vazios pelo correio, basta preencher o formulário no site. A Lexmark também conta com um programa de devolução de cartuchos no qual a empresa se compromete a vender os cartuchos com desconto desde que o cliente também se comprometa a utilizá-lo uma vez e o devolva para reciclagem.

Procure se informar sobre a prática ideal para você, mas não deixe de fazer sua parte e contribuir para a preservação do nosso planeta. São pequenas ações como estas que fazem a diferença.



Lixo Eletrônico - Você sabe o que fazer com seus equipamentos quando aparentemente já não tem mais utilização?

A maioria dos equipamentos eletrônicos são feitos com substâncias nocivas e se descartados de forma incorreta ou em locais indevidos, como lixões e terrenos abandonados, podem contaminar o meio ambiente.

Estima-se que os resíduos eletrônicos representam 5% da produção total de lixo da humanidade. Uma média de 50 milhões de toneladas são jogadas fora todos os anos por todos os locais do mundo. No Brasil o número aproximado é de 2,6Kg por habitante.


Como descartar equipamentos eletrônicos?

Ponto de Coleta:

Em 2011 a DPI Soluções em Impressão resolveu estender sua iniciativa para a comunidade. Criando um ponto de coleta de lixo eletrônico.


A DPI em parceria com o CMID (Centro Marista de Inclusão digital) a mais de 4 anos vem destinando seu lixo eletrônico como impressoras antigas, monitores e computadores para esta instituição. O CMID reaproveita componentes utilizáveis, reciclando os computadores para aula de robótica livre e inclusão digital para a comunidade.




Como Funciona:

Basta levar seu material eletrônico inservível como (Monitor, teclado, mouse, CPU de computador, impressoras velhas e demais aparelhos eletrônicos em geral) e preencher um formulário de destinação deste resíduo. A DPI fará todo o procedimento legal de encaminhar estes equipamentos ao CMID, entidade responsável e competente para emitir certificado de destinação correta final de resíduos eletrônicos.

Endereço do Ponto de Coleta:

Reciclagem:

Há vários postos de reciclagem espalhados pelo país que buscam estes materiais, consulte o site: www.lixoeletronico.org e busque endereços próximos a você.

Sustentabilidade
 é prática obrigatória a todas as empresas, mas para que seja efetiva, é necessário a conscientização de funcionários e da população em geral, por isso, faça sua parte!



Práticas Sustentáveis - Coleta de Lixo Eletrônico

A iniciativa de Jaqueline Soares da Rosa ( Secretária Geral da Minami Motors ) em coletar o lixo eletrônico, a princípio selecionando equipamentos não mais utilizados na empresa, acabou por ser ampliada.

Conversando com colegas em 01/08, conseguiu o engajamento geral, formando uma corrente em torno da ideia. Trouxeram aparelhos estragados de suas casas, bem como de familiares, entendendo que a proposta impacta positivamente a todos.





Os colaboradores juntaram até o momento 50 peças que deixaram de ser descartadas no lixo comum e, conseqüentemente, indo parar em aterros sanitários, evitando assim de contaminarem terras e águas da nossa cidade.
"Agora, a coleta será permanente na empresa. Num primeiro momento vamos coletar dos funcionários, familiares e fornecedores que quiserem participar, diz Jaqueline Rosa. "
Faça como Jaqueline, se você tem uma boa ideia, fale com outras pessoas e mude a realidade a sua volta. A responsabilidade de zelar pelo ambiente onde vivemos é de cada um, não apenas da Gestão Pública.

A cidade é reflexo de seus habitantes! Pense nisso e Pense Verde você também!


Práticas Sustentáveis da Minami Motors

No início do projeto da Minami, foi prevista uma cisterna no subsolo para armazenar a água da chuva, captada pelos telhados, com capacidade para armazenar até 35 mil litros. Fazemos uso dessa água na lavagem de carros, limpeza em geral e abastecimento dos WCs.





Dentre os processos sustentáveis da Honda, reaproveitamos a água da lavagem dos carros, filtrando e separando elementos sólidos e sabão da água.


Adotamos um novo sistema de comercialização de óleo lubrificante. A venda de óleo à granel, onde o cliente só paga pelo óleo que for usar, garantindo assim um preço mais justo e diminuindo a quantidade de lixo gerada (embalagens de 1 litro), pois não utiliza embalagem individual para o óleo.

Sistema de pintura à base de água

Nosso sistema de pintura automotiva com uso de tintas à base de água, reduz em mais de 90% a emissão de solventes.




  • Conheça os patrocinadores da 1ª fase do projeto e veja suas ações:


Pense Verde movimenta a Escola

Campanha na TV gera impactos em sala de aula!

O projeto “Pense Verde” movimenta o cotidiano de alunos de 3ª série do Colégio Marista Santa Maria.

Os alunos acompanham a campanha ecológica na televisão e se somam na divulgação de hábitos ecologicamente corretos.

O projeto visa sensibilizar e conscientizar a população regional quanto aos problemas ambientais e ressaltar a importância da mudança de hábitos para a preservação do planeta e da vida. (Clique nas imagens para ampliar)


As idéias do Pense Verde vieram ao encontro dos anseios das crianças, que já trabalhavam com suas professoras sobre a questão ecológica. Os alunos ao perceberem a campanha na televisão questionaram suas professoras sobre a possibilidade de trabalhá-la em sala de aula.

As professoras atenderam aos pedidos de seus alunos e organizaram um criativo trabalho sobre o projeto. As turmas organizaram uma releitura das peças gráficas utilizadas pela campanha publicitária do Pense Verde, como o folder, a logomarca e os adesivos.
  • A turma 31, da professora Rita, confeccionou folders sobre o projeto com dicas dos próprios alunos sobre preservação ambiental;
  • A turma 32, da professora Gisela, produziu cartazes sobre a temática da campanha;
  • A turma 33, da professora Viviane, trabalhou com a logomarca, organizando textos em forma de diálogo explicando o que seria “Pensar Verde”.


Os cartazes produzidos pelos alunos serão afixados nos corredores do colégio e os folders serão entregues para as turminhas de Educação Infantil.

O objetivo dos alunos da 3ª série do Ensino Fundamental é propagar a ideia ecológica da campanha em todo o colégio.

Projeto Marista - Reciclando brinquedos, conquistando sorrisos

Mais um projeto do Colégio que beneficia o Meio Ambiente e o Coração.


Há três anos, o Serviço de Pastoral Escolar do Colégio Marista Santa Maria realiza em parceria com a Pastoral Juvenil Marista o projeto “Oficina de Restauração de Brinquedos”.

Esse projeto promove uma campanha de doação interna de brinquedos, que são recolhidos e catalogados na sala da PJM. Osalunos que participam da PJM (Pastoral Juvenil Marista)organizam uma verdadeira oficina para restaurar os brinquedos.

Além dos brinquedos também são recolhidos livros e tecidos, que servem para confeccionar roupinhas para as inúmeras “bonecas peladas” que são recolhidas, como brinca Janaína Guimarães, Assessora Local da PJM.
Todo o material recolhido é doado para Organizações Sociais em datas especiais, como no mês da criança, em outubro, e no Natal. Na edição de 2008 do projeto foram recolhidos mais de 1000 brinquedos.

O projeto além de alegrar as crianças que recebem os brinquedos, também faz feliz quem participa dos processos de doação e conserto dos brinquedos. “O projeto envolve toda a minha família. No ano passado eu mesmo separei os brinquedos, mas neste ano todo mundo lá em casa ajudou”, disse Lucca, aluno da 3ª série do Ensino Fundamental.

Para Alexia, aluna do “primeirão” e que participa da PJM há três anos, “a sensação de ajudar o outro é gratificante e faz um bem pessoal incrível”, sintetiza.

Familiares, professores e funcionários do Colégio também auxiliam no projeto. A primeira etapa da campanha de recolhimento de brinquedos, livros e tecidos já ocorreu com as turmas de Educação Infantil à 4ª série. Após o recesso de julho, a campanha de arrecadação se estenderá às turmas de 5ª e 6ª série.

O projeto “Oficina de Brinquedos” além do caráter solidário reforça a ideia ecológica dos “3 erres”: Reduzir, reaproveitar, reciclar!

Colégio Marista - Mostra de Arte com Sucata

Mostra de Arte - A Sucata Artística

Utilizando apenas materiais recicláveis e alternativos para compor seus trabalhos, alunos da Educação Infantil à 4ª série do Ensino Fundamental do Colégio Marista Santa Maria expressaram suas emoções através da arte.Livros, xilogravuras, poesias em cordel, “cineminhas”, monumentos pela paz, enfim, muitas obras de arte foram criadas pelos alunos-artistas, que cheios de orgulho, exibiam seus trabalhos na Mostra de Arte, que aconteceu na manhã do dia 05 de julho.

O evento ocorreu simultaneamente no Salão Champagnat, Recanto Tchê e Salão de Atos.

Os mais variados elementos foram utilizados pelos alunos para dar vida à imaginação dos pequenos, até mesmo uma impressora com defeito e uma maçaneta de um fusca transformaram-se em arte. Osalunos de 2ª série produziram livros de algodão cru com ilustrações e histórias originais.
A Mostra de Arte estimula a produção artística dos alunos desde a Educação Infantil. Através da confecção dessas obras de arte, eles desenvolvem sua criatividade e autonomia, além de conscientizarem-se de sua responsabilidade ambiental, produzindo seus trabalhos apenas com materiais recicláveis e alternativos.

Marista Santa Maria reaproveita seu lixo!

Projeto “Cuidando da Vida”Para proteger o meio ambiente é preciso que cada um faça a sua parte.

Partindo dessa premissa, o Serviço de Pastoral do Colégio Marista Santa Maria lançou este projeto de reciclagem de lixo produzido em ambientes de estudo e recreação.Papéis, latas, plásticos, tudo é colocado em lixeiras seletivas, recolhido e encaminhado para a seleção.

O projeto, iniciado em julho de 2007, surgiu da necessidade de reaproveitar materiais recicláveis e também de criar uma consciência ecológica entre acomunidade escolar. Todos são incentivados a participar. Alunos que integram a Pastoral Juvenil Marista (PJM) e professores estimulam os estudantes a utilizar as lixeiras seletivas.
As próprias lixeiras seletivas utilizadas no projeto são produzidas com materiais reciclados.

Classes velhas e recipientes plásticos que seriam descartados para o lixo ganharam novas cores e utilidades servindo para ajudar a preservar o meio ambiente. (Foto: Arquivo Colégio Santa Maria)

Nas salas de aula e nos setores do Colégio, professores, alunos e funcionários têm à sua disposição recipientes que são destinados a recolher os materiais recicláveis para que tudo seja reaproveitado.Confira a tabela dos materiais recicláveis recolhidos desde o início do ano (clique na imagem para ampliar):


Doe seu eletrônico para o CMID

A Escola Marista Santa Marta mantem um projeto chamado CMID
(Centro Marista de Inclusão Digital)

Se você não sabe o que fazer com seu monitor velho, aquela impressora que só ocupa espaço no quarto ou mesmo alguma peça ou componente sem utilidade atual.Doe para esse projeto!


Ligue para 3212 - 5373 e se informe com Ana Cláudia sobre a possibilidade de coleta na sua residência ou em algum ponto da cidade.

O espaço foi conquistado por meio de uma iniciativa do Centro Social Marista, com apoio da Prefeitura. Ao todo, o Centro atende 945 pessoas que são cadastradas, residentes na Nova Santa Marta e também da Vila Prado e Cohab Tancredo Neves.

O CMID oferece 22 computadores, dispostos em duas salas, uma de lazer e entretenimento e outra de pesquisa. Segundo a monitora do Centro, Ana Cláudia Campos, são atendidas pessoas de 13 a 70 anos de idade.

Veja no Blog dos alunos da escola o aproveitamento... lixo vira elemento educativo!

Honda - Relatório de Contribuição Social 2009


Honda divulga Relatório de Contribuição Social 2009


Impresso em papel produzido a partir de madeira de reflorestamento, e tinta de soja, o documento é um resumo das ações em benefício da sociedade e do meio ambiente praticadas pela empresa.

O conteúdo está dividido em quatro capítulos que contemplam as frentes integrantes do lema mundial para as ações de contribuição socialTogether for Tomorrow: meio ambiente, educação, comunidade e segurança no trânsito.

A edição atual conta com novidades como o ciclo de desenvolvimento dos produtos Honda. A iniciativa tem por objetivo avaliar o impacto de suas operações e melhorar o desempenho ambiental da empresa, uma vez que o processo é monitorado desde a concepção até o transporte, prezando sempre pelo respeito à natureza.

Outra iniciativa a ser destacada é o Green Factory (Fábrica Ecológica), conceito mundial da Honda que contempla gerenciamento de resíduos, eficiência energética, uso racional da água e redução de emissões atmosféricas. Além disso, a Honda conta com a utilização de plásticos biodegradáveis para proteger os bancos dos automóveis dos modelos produzidos no Brasil, e material fabricado a partir de garrafas PET para a proteção dos discos de freio dos automóveis destinados à exportação.

No transporte de motocicletas é utilizado o inovador sistema NPD (Non Packing Delivery), pelo qual estas são enviadas da fábrica para a rede de concessionárias totalmente montadas, sem necessidade de embalagem, sendo acondicionadas em racks metálicos retornáveis, o que representa uma economia estimada de 11.700 toneladas de madeira por ano.

Na área de educação, a Honda conta com programas de capacitação profissional, inclusão digital, além de apoio ao esporte e à cultura e parceria com diversas entidades, inclusive com o Instituto Ayrton Senna, marcada pelo patrocínio do estande no Salão das Duas Rodas e na FENATRAN.

A empresa trabalha em parceria com as comunidades das localidades onde está instalada, buscando contribuir com ações em prol da melhoria da qualidade de vida dos moradores. Entre outras atividades, a Honda contribui com entidades assistenciais, promove campanhas de doação, além de projetos que visam o acesso a alimentação saudável. A segurança no trânsito também é uma preocupação da empresa, que não poupa esforços para divulgar conceitos de direção segura e implementar medidas de estímulo à harmonia no trânsito.

As atividades socioambientais da Honda são realidade no Brasil e em países da América do Sul que formam o bloco Honda South America, contemplando assim todos os indivíduos que, de alguma forma, participam da história da empresa. Esta harmonia entre a Honda, as pessoas que a cercam e a natureza fazem parte da filosofia Honda, conceito difundido e praticado no dia a dia da companhia.

Estas e outras informações sobre o tema podem ser encontradas na área Socioambiental do sitewww.honda.com.br.

Baixe o Relatório de Contribuição Social 2009 aqui!


Honda - Uma empresa de princípios Ambientais

Declaração Ambiental da Honda



Nós, como um dos membros da sociedade responsáveis pela proteção do meio ambiente global, faremos todos os esforços para contribuir com a saúde dos seres humanos e com a preservação do meio ambiente em nosso planeta em cada fase de nossas atividades corporativas.

A marca ambiental traduz o compromisso do Grupo Honda com a proteção do meio ambiente por todo o mundo. Simboliza o vento soprando suavemente sobre a terra verde; a água limpa, que é a essênsia da vida; e o sol, brilhando eternamente.


Somente dessa forma seremos capazes de obter sucesso no futuro, não apenas para nossa empresa, mas para o mundo todo.

A cada dia, devemos agir em nossos interesses empresariais de acordo com os seguintes princípios:

1. Vamos nos esforçar para reciclar materiais e conservar recursos e energias em todos os estágios do ciclo de vida de nossos produtos, desde a pesquisa, o projeto, a produção e as vendas até os serviços pós-venda e o descarte.

2. Vamos empregar todos os esforços para reduzir e encontrar métodos apropriados para o descarte dos resíduos e poluentes que são gerados pelo uso de nossos produtos e em todos os estágios do ciclo de vida desses produtos.

3. Como membros da empresa e da sociedade, cada um de nós colaboradores focalizará na importância de fazer todos os esforços para proteger a saúde humana e o meio ambiente global e faremos nossa parte para assegurar que a empresa, como um todo, possa atuar de forma responsável.

4. Nós vamos considerar a influência que nossas atividades corporativas têm sobre o meio ambiente e a sociedade local e vamos nos empenhar para aprimorar a reputação social de nossa empresa.

Redigida e anunciada em junho de 1992.

Honda Brasil - Ações Sustentáveis

Práticas Sustentáveis da Honda no Brasil


Jornal EcoLógico

Na fábrica de automóveis em Sumaré circula o Jornal EcoLógico. Com uma tiragem de 5 mil exemplares e de fácil leitura, aborda a cada mês um tema ambiental, além de dicas relacionadas ao assunto que podem ser aplicadas pelo colaborador no trabalho e em casa.


Coleta Interna de Pilhas e Baterias

Nas duas unidades fabris da Honda no Brasil existem coletores de pilhas e baterias para que os colaboradores tenham a possibilidade de descartar adequadamente esse tipo de material, utilizado na própria empresa ou em suas residências.


Plástico Biodegradável


A Honda Automóveis do Brasil é a primeira empresa no mundo a utilizar plástico biodegradável na embalagem que protege os assentos dos modelos produzidos no país.
Composto de polímero biodegradável, que desaparece no meio natural, sem poluir, em seis meses, o material é livre de metais pesados, 100% compostável e devidamente certificado pelas normas internacionais.

Honda - Reutiliza água para uso industrial

Uso e Reuso de Água

Em 2008, a fábrica de automóveis concluiu as obras de interligação da Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) e da Estação de Tratamento de Água (ETA).

Esta interligação possibilita a reutilização da água para uso industrial. Gradativamente, a empresa vem aumentando o reuso desses efluentes tratados para diminuir a captação de água da rede pública.

Na fábrica de motocicletas, em Manaus, os efluentes passam por diferentes etapas de tratamento, além de esterilização e filtragem. Após esse processo, parte da água reciclada retorna à natureza dentro dos padrões da legislação ambiental. Outra parte é transferida a um lago artificial para irrigação de áreas verdes da fábrica e uso da brigada anti-incêndio.

A sede administrativa, em São Paulo, conta com um sistema de tratamento e reaproveitamento, onde a água descartada nas pias é reutilizada na descarga dos vasos sanitários. Obteve-se, assim, uma redução no consumo de água de 60%.

A unidade de São Paulo também monitora, a cada seis meses, a qualidade da água do lençol freático localizado abaixo do prédio, com acompanhamento da Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental) e de uma empresa especializada.
  • 25% dos efluentes tratados na Estação de Tratamento de Água da fábrica de automóveis são reutilizados no processo industrial

Honda - Práticas Sustentáveis

Isenção de metais pesados na pintura


A fábrica de motocicletas utiliza tinta ecológica desde 2003. Ao se decomporem, os componentes deste tipo de tinta eliminam substâncias neutras, que se combinam à natureza sem agressões nem consequências danosas.

Há dois anos foi extinto na fábrica de motocicletas e na de automóveis o uso de metais pesados em peças e corantes aplicados às matérias-primas e acabamentos, como o cromohexavalente, o mercúrio, o cádmio, o chumbo e o bromato.

A suspensão destes componentes beneficia o meio ambiente, pois evita que, ao se desprenderem dos componentes descartados (em decomposição), eles se integrem ao meio e sejam absorvidos pelo ser humano, situação que pode causar sérios danos à sua saúde.

Transporte Responsável

Por meio de um sistema inovador, o NPD (Non Packing Delivery), as motocicletas são enviadas da fábrica para a rede de concessionárias totalmente montadas, sem necessidade de embalagem, sendo acondicionadas em racks metálicos retornáveis, colocados nas carretas de transporte. Na fábrica de motocicletas e na fábrica de automóveis, as peças e componentes de reposição também são transportados em embalagens plásticas vai-e-vem.

Outra inovação operacional que resultou na redução do consumo de óleo diesel durante o transporte foi a criação da Balsa Swimming Warehouse, espécie de armazém flutuante pelo qual é feito o transporte fluvial de 5% do volume de peças e 35% das motocicletas entre Manaus e Belém. Motocicletas montadas são enviadas da fábrica para as concessionárias em racks retornáveis.

Honda - Gestão de Resíduos

Políticas de Gerenciamento de Resíduos


A marca ambiental traduz o compromisso do Grupo Honda com a proteção do meio ambiente por todo o mundo. Simboliza o vento soprando suavemente sobre a terra verde; a água limpa, que é a essênsia da vida; e o sol, brilhando eternamente.

Um dos compromissos ambientais da Honda é o gerenciamento de resíduos. Para cumprir esse objetivo, a empresa investe na melhoria de processos, no reaproveitamento e na reciclagem de materiais, assim como em métodos inovadores para reduzir ou eliminar embalagens.

Na fábrica de motocicletas, materiais como areia de fundição, aço, madeira, alumínio, papel e papelão se transformam em novas matérias-primas para reutilização interna e externa; enquanto na fábrica de automóveis, o aperfeiçoamento no processo de estampagem das chapas metálicas reduziu o volume de resíduos metálicos e os retalhos que sobram são utilizados para fabricação de componentes de menor tamanho.

Na sede administrativa da empresa, em São Paulo, e nas unidades fabris, todo o lixo é separado e, depois, recolhido por uma empresa especializada em reciclagem para a destinação correta.


Destinação Correta de Resíduos

Nas duas fábricas brasileiras todos os resíduos considerados perigosos, conforme classificação da legislação ambiental, são incinerados, enquanto todos aqueles que possuem um valor agregado, tais como metal, plástico e papelão — passam por processo de reciclagem.


Porcentagem de destinação de resíduos

Carros - redução de emissão de poluentes em 2013

Conselho restringe níveis de poluição emitida por carros a partir de 2013



O Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) aprovou uma resolução que restringe as emissões de poluentes por veículos leves (como carros de passeio, utilitários, picapes e furgões).

A partir de 2013, os veículos movidos a diesel terão que sair de fábrica respeitando os novos limites. No ano seguinte, será a vez dos movidos à gasolina.


A resolução coloca em vigor a sexta fase do Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), que, desde 1986, prevê a redução gradual da emissão de poluentes por automóveis no país.


Pela nova regra, os veículos leves de passageiros e os comerciais com menos de 1.700 quilos, por exemplo, não poderão emitir mais do que 1,3 grama de monóxido de carbono por quilômetro rodado. Os comerciais com mais de 1.700 quilos não poderão emitir mais do que dois gramas de monóxido de carbono por quilômetros rodado.

Segundo o gerente de qualidade do ar do Ministério do Meio Ambiente Rudolf Noronha, os limites são os mesmos que os fabricantes de automóveis têm que respeitar nos Estados Unidos, Europa e Ásia. “Agora eles terão que obedecer no Brasil aos mesmos limites que respeitam em seus países de origem”, afirma.

A decisão foi tomada após uma discussão feita na Câmara Técnica de Controle e Qualidade Ambiental do Conama, que conta com a participação de entidades ambientais, de governos municipais e estaduais, da Confederação Nacional da Indústria (que representa a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores – a Anfavea), da Confederação Nacional do Transporte e do Ministério de Minas e Energia (que representa a Agência Nacional de Petróleo).

A assessoria de imprensa da Anfavea informou que a entidade participou da discussão sobre as novas normas e está de acordo com o que foi decidido.

Segundo o gerente do MMA, o programa deve continuar com novas restrições no futuro. “O Proconve não tem data para acabar. Um dia, vamos fazer uma resolução dizendo que os carros terão que funcionar a água ou a ar. O quanto puder apertar, nós vamos apertar”, afirma.

Fonte: g1.globo.com


Honda - Lojas com novo design pensando no meio ambiente

Reformulação tem como base o compromisso da empresa em preservar o meio ambiente

A rede de concessionárias de automóveis da Honda passa por transformação. O conceito central da nova identidade visual se fundamenta na busca constante da Honda por soluções que minimizam os impactos ao meio ambiente. A empresa encontrou na avançada tecnologia uma alternativa para o uso racional dos recursos naturais em suas concessionárias e PAV’s (Pontos Avançados de Vendas).

Seguindo uma tendência internacional da Honda, o novo padrão tem uma representação mais avançada da marca, além de uma infra-estrutura que viabiliza a utilização de materiais recicláveis.



  • As fachadas são iluminadas por LED’s (Light Emiting Diode), garantindo menor consumo de energia e baixo custo de manutenção. Já o totem apresenta uma estrutura interna de aço e alumínio na parte externa e o logo desenvolvido com material acrílico que leva iluminação indireta.

Concessionárias ecológicas

A preocupação com o meio ambiente não se restringe apenas à parte externa das revendas.

  • A Honda Automóveis incentiva e orienta as autorizadas a buscarem soluções para preservar os recursos naturais, diminuir o desperdício, reduzir os custos e aumentar a produtividade.
  • Entre as ações desenvolvidas, destaca-se o programa de coleta seletiva de resíduos descartados nas oficinas, como plástico, papel, papelão, metal e vidro. Já os materiais industriais (óleo usado, pneus e bateria) são encaminhados às empresas com certificação ambiental.
  • As oficinas da rede de concessionárias de automóveis contam com um sistema de exaustão de gases que livra o ambiente de fumaças tóxicas de escapamento e depósitos de fuligem prejudiciais à saúde.
  • Outro exemplo são os boxes de lavagem dos veículos que removem poluentes e impurezas da água antes de descarregá-la no sistema de esgoto.

A implantação da nova identidade visual teve início em abril, na cidade de São Paulo, após um estudo criterioso realizado por profissionais da empresa. A previsão é que o programa seja implantado em todo o país até 2010.

Honda marca sua responsabilidade ambiental no país!

Honda Automóveis inaugura novo setor que leva a marca da responsabilidade ambiental. O Power Train, localizado na Fábrica de Sumaré.

A Honda Automóveis inicia uma nova e importante etapa em sua atuação no País e que será a responsável direta em agilizar a fabricação de seus modelos nacionais, New Civic e Honda Fit.

Dois dos principais processos para a fabricação de motores e que eram realizados no Japão - fundição e usinagem dos blocos e cabeçotes - passam a ser executados no recém-inaugurado setor Power Train.

Impulsionada pela grande aceitação de seus produtos no mercado, a Honda Automóveis não pára de quebrar recordes. Exemplo desse cenário ocorreu em abril, quando foram emplacadas 10.747 unidades, o que significou a melhor marca mensal nesses mais de dez anos de produção em território nacional.


Responsabilidade ambiental


Desde a concepção do projeto, a Honda tinha em mente construir o novo prédio dando ênfase e continuidade a sua política de respeito ambiental.
  • Todos os equipamentos adquiridos têm nível baixo de consumo de energia e, na área de usinagem, a Honda Automóveis investiu na aplicação de sistemas para aproveitar o máximo possível a luz natural, eliminando a necessidade de luz artificial.
  • A fundição, que tem como característica ser uma área de calor elevado, teve seu pé direito construído em uma altura de 16 metros, o que influencia diretamente na temperatura do local.
  • Outro aspecto é com relação ao descarte de resíduos. A Honda contratou fornecedores locais especializados para que o material passe por um processo correto de reciclagem ou destinação, além de ter investido numa estrutura capaz de recolher esses materiais.
  • Foram instalados dutos que fazem a coleta de resíduos posteriormente encaminhados a essas empresas.
  • O óleo recolhido, por exemplo, é enviado para a reciclagem e resulta em graxa e outros subprodutos, enquanto a areia utilizada na fundição é coletada por um fornecedor que retira as impurezas e a deixa em condições de reutilização ou que seja descartada da melhor maneira possível.
  • No caso da emissão de poluentes, o Power Train possui um sistema de lavadora de gases, com filtros capazes de captar e neutralizar os efeitos danosos das emissões gasosas.

Essas ações e iniciativas promovidas pela Honda minimizam o impacto sobre os recursos naturais, reforçando seu compromisso em produzir respeitando o meio ambiente e a sociedade.

Dica: Tanise Pozzobon - Minami Motors

Minami Motors caminhando para o Green Daeler

HONDA - PROGRAMA GREEN DAELER:

"Green Dealer - Concessionária Ecológica"


Desde 2004, a Honda orienta suas concessionárias quanto à destinação correta dos resíduos gerados na prestação de serviços.

A Minami Motors vem adotando em suas práticas, além da destinação adequada aos resíduos, o uso de papel reciclado em cartões de visita e alguns elementos de sua papelaria.

O reaproveitamento da água da lavagem dos carros, filtrando elementos sólidos e sabão da água. Também adotou um sistema de captação, armazenamento e utilização da água da chuva, no sentido de diminuir o consumo de água potável para lavagem de carros.
Para estimular ainda mais a rede, em 2008 a Honda implementou um programa de certificação anual para as concessionárias que comprovarem 100% da destinação adequada dos resíduos.Dentre os itens verificados estão metais, plásticos, borracha, papel, tecido, líquido, ácidos, combustível, solventes, óleo lubrificante e baterias usadas.

Além disso, ações como utilização de sistemas de exaustão de gases nas oficinas, reutilização e captação de água e redução do consumo de energia também são consideradas. Para 2009, a meta é ter 160 concessionárias certificadas como “Green Dealer”.

O grande desafio em algumas regiões é encontrar empresas devidamente certificadas para prestação de serviço de coleta e destinação adequada dos materiais. Neste sentido, a Honda contribui com um banco de dados constantemente atualizado e que já conta com mais de 970 empresas em todas as regiões do país.

Para criar o “Green Dealer”, a Honda tomou como base as ações de respeito ao meio ambiente adotadas em todas as suas fábricas no mundo, por meio do programa denominado “Green Factory”.

Na fábrica de motocicletas de Manaus (AM), por exemplo, estão implantados mais de 230 projetos de gestão ambiental como a estação de tratamento de efluentes, o laboratório de emissão de gases, entre outros. Na Unidade, 95% dos resíduos gerados são reciclados.

Mundialmente adotado, o lema “Together for Tomorrow” (“Juntos para o Amanhã”)sintetiza o espírito que norteia as atividades socioambientais, transmitindo que a união com as comunidades é o caminho para a construção de um mundo melhor para as gerações de hoje e do futuro.

A Honda já utiliza como padrão da sua papelaria empresarial o papel reciclado.

Minami Motors Santa Maria

Ações Minami Motors
Na Minami a ordem é reduzir, reaproveitar e reciclar.
SEPARAÇÃO DO LIXO:

A Reciclagem é uma alternativa para amenizar o problema, porém, é necessário o engajamento da população para realizar esta ação. Ele pode ser separado de diversas maneiras e a mais simples é separar o lixo orgânico do inorgânico (lixo molhado/ lixo seco).
Esta é uma ação simples e de grande valor.

Todo lixo produzido, normalmente é recolhido pelos caminhões e levado até as centrais de reciclagem e lá é separado e classificado para o reaproveitamento.
Muitas famílias sobrevivem da venda deste material. A separação do lixo, orgânico (molhado) do inorgânico (seco), é importantíssima para o processo da reciclagem, uma vez que, quando misturado dificulta o processo de "garimpagem" dos catadores de lixo.
Na Minami Motors existem lixos específicos para cada material a ser descartado. Principalmente os não recicláveis altamente poluentes.

Práticas Minami Motors - Embalagens Plásticas

EMBALAGENS PLÁSTICAS:

  • Embalagens de óleo:
A Minami Motors preocupada em melhorar o atendimento aos clientes e contribuir para a preservação ambiental, adotou um novo sistema de comercialização de óleo lubrificante. A venda de óleo à granel, onde o cliente só paga pelo óleo que for usar, garantindo assim um preço mais justo e diminuindo a quantidade de lixo gerada (embalagens de 1 litro), pois não utiliza embalagem individual para o óleo.

Um bom exemplo para a redução da geração de resíduos sólidos (lixo), é a não utilização de embalagens individuais, ou seja, o óleo novo a ser colocado nos veículos será retirado na hora de um único tambor, e não mais de embalagens de 1 litro, que seriam descartadas no lixo comum.

Dessa forma a empresa reduz para o cliente o custo da troca de óleo e contribui para a manutenção dos recursos naturais, pois os resíduos gerados pelas embalagens são altamente poluentes.

FADISMA incia Processo de Separação e Doação de Recicláveis

FADISMA doa 286kg de Recicláveis para ASMAR

No dia 25 de setembro, a Associação dos Selecionadores de Material Reciclável (ASMAR) esteve na FADISMA para recolher aproximadamente 20 caixas contendo jornais, materiais de divulgação e folhas de papel.

Ao todo, foram doados 177 quilos de jornal e 109 quilos de papel.
A associação é a única certificada pela Prefeitura Municipal de Santa Maria para realizar a coleta de material reciclável.

A ideia é que a ASMAR recolha papéis e plásticos todas as semanas na FADISMA. Com isso, pretende-se dar início a um projeto de separação de lixo nas dependências da Instituição.

Lixo como fonte de trabalho e dignidade

O Lixo como fonte de trabalho e dignidade

A “catação de lixo” não é um fenômeno brasileiro.
Assim como aqui os indivíduos que se dedicam a esse trabalho são chamados catadores, no México são chamados de pepenadores, na Argentina são conhecidos como cartoneros, no Peru são chamados de moscas.

Cada país na América Latina tem um termo próprio para designar os catadores de lixo e, em certos países, seu número está crescendo. Eles podem ser vistos separando sacos de lixo nas calçadas das cidades, parques públicos ou junto a supermercados e residências.

Alguns puxam carroças que pouco a pouco vão enchendo com garrafas plásticas ou latas de alumínio. Homens, mulheres e crianças participam dessa atividade. Em certos países, famílias inteiras de catadores de lixo vivem em cortiços ao lado ou no alto de aterros sanitários que lhes garantem sua única fonte de renda.
A Associação Brasileira de Alumínio (ABAL) calculou que cerca de 150 mil pessoas ganharam a vida em 2002 coletando latas de alumínio no Brasil. A maioria delas realiza esse trabalho de maneira informal, ou seja, sem o reconhecimento do Estado e, portanto, sem garantia de direitos.

Isso se torna preocupante, se pensarmos que a catação de lixo está entre as ocupações mais perigosas e socialmente marginais. Por meio da constante exposição a materiais perigosos e fumaças tóxicas nos aterros, os catadores de lixo estão submetidos a um alto risco de acidentes e doenças. Devido a sua associação com o lixo, essas pessoas tendem a ser menosprezadas.
Entretanto, a perspectiva para os catadores de lixo está melhorando. Nos últimos anos, eles começaram a se organizar em diversas partes da América Latina para melhorar suas condições de trabalho e por fim o seu status de cidadãos de segunda classe. Em muitas cidades, os catadores se reuniram em cooperativas, que lhes permitem coordenar suas atividades com os órgãos sanitários municipais e negociar preços melhores com os intermediários.Para saber um pouco mais sobre a relação das pessoas e o lixo na cidade de Santa Maria, assista a reportagem feita pela TV Câmara:




A reciclagem traz muitos benefícios, entre eles:

  • gera receitas reais para centenas de milhares de pessoas e com isso ajuda a reduzir a pobreza;
  • propicia um meio surpreendentemente eficaz para reutilizar recursos valiosos, reduzir custos para as indústrias domésticas e melhorar a competitividade econômica;
  • reduz a quantidade de lixo que é descartada, diminuindo com isso a poluição e beneficiando o meio ambiente.

Por todos esses motivos, a reciclagem informal tem potencial para ser uma forma de desenvolvimento sustentável.

O que é necessário é um compromisso dos governos no sentido de apoiar os catadores de lixo, garantindo-lhes que não sejam explorados nem menosprezados e fornecendo-lhes serviços sociais essenciais.
  • Você sabe que tipo de iniciativa governamental vem sendo tomada para melhorar a vida dos “catadores” em nosso país?
  • E em sua cidade? Você sabe o número de catadores existentes e quantos deles estão ligados a empresas ou cooperativas?

Fonte consultada: Banco Interamericano de Desenvolvimento

Dica: Pâmela Marconatto Marques
Coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Monografia - FADISMA

Meio Ambiente em exposição na FADISMA

Desde o dia 14 de agosto, o hall da Faculdade de Direito de Santa Maria está abrigando duas exposições fotográficas do ativista ambiental Ari Quadros.
As imagens retratam duas realidades diferentes, mas trazem mensagens semelhantes: a importância de cuidarmos do ambiente em que vivemos.


Quadros atua há mais de 20 anos na área ambiental e, atualmente, é Presidente do Conselho Consultivo da Fundação do Rio Ibirapuitã (Funrio), que tem sede central em Alegrete.

Foi a Funrio que ajudou a implementar, em 2002, o “Projeto Ambiental do Cilon Rosa”, iniciativa que deu origem a uma das exposições que estão na FADISMA. “A Batalha Ambiental do Cilon Rosa” registra o ambiente desgastado e depredado da escola, o esforço da comunidade escolar para mudar essa situação e os resultados que foram conseguidos.

Já “Fernando de Noronha: Paraíso Ameaçado” registra alguns momentos da estada de Quadros na ilha no ano de 1994. O ambientalista ficou cerca de dez dias em Fernando de Noronha, retratando toda a beleza natural do lugar e também as áreas devastadas da ilha.

As exposições ficarão na FADISMA até o dia 31 de agosto. Para conferir basta se dirigir ao hall da Instituição, na rua Duque de Caxias, nº 2319.

O horário de funcionamento é das 8h às 12h e das 14h às 22h de segunda a sexta-feira, e das 8h às 12h aos sábados. Escolas podem agendar visitas pelo telefone 3220 2500.

FADISMA adere ao consumo consciente!

No início deste ano, a FADISMA se propôs a reduzir a quantidade de papel de ofício utilizada na Instituição.Note você que na adoção de uma simples medida (redução de papel),somam-se reduções no âmbito energético, vida útil de equipamentos... o que equivale a menos árvores cortadas, menos poluentes jogados ao meio ambiente, menos energia gasta, menos água desperdiçada.

Em 2008, foram gastas 253.500 folhas. A meta para este ano é reduzir essa quantidade em 50%.

A avaliação realizada no primeiro semestre de 2009confirma que a FADISMA está no caminho para alcançar a sua meta.

No primeiro semestre de 2008
, a Instituiçãoconsumiu 134.000 folhas de papel, já no mesmo período de 2009 a quantidade foi reduzida para 62.500 folhas.


Dentre as políticas adotadas estão pequenas medidas que apresentaram bons resultados
:
  • Entre elas a utilização da frente e do verso das folhas
  • Elaboração de relatórios virtuais que dispensam a impressão
  • A disponibilização de material pedagógico dos professores através de meio virtual no portal acadêmico
  • E a conscientização e aplicação de metas de consumo entre os setores da Instituição.

Além da diminuição da quantidade de papel utilizada, o consumo consciente incentivado na FADISMA acarretou outros benefícios:

  • Redução no consumo de cartuchos de impressora
  • Diminuição da depreciação dos equipamentos de impressão
  • E a redução no consumo de energia elétrica

Arte - FADISMA sedia exposição onde o Lixo vira Arte

FADISMA sediou até o dia 30 de junho a exposição da artista Lia Sartori que usa recicláveis em suas obras.

Os alunos do 8º ano da Escola Dom Antônio Reis foram visitar a exposição “Arte ambiental, consciência ecológica fundamental” .


O professor de Artes Visuais, Gesiel Freire, acompanhou os estudantes. “A idéia é que os alunos consigam verificar na prática aquilo que é visto em sala de aula. Esses quadros são interessantes porque a artista reaproveitou materiais”, afirma o professor.

A exposição esteve na FADISMA até o dia 30 de junho. As obras são da artista Lia Sartori que alia criatividade, materiais não perecíveis e a vontade de ajudar a preservar o meio ambiente em seus quadros.


LIA SATORI - ARTE E RECICLAGEM

Tudo começou em um dia chuvoso no ano de 2007. Após criar a primeira obra, em que utilizou pregos, Lia não parou mais. Atualmente, possui cerca de 45 quadros. Além disso, a artista também é advogada. Ela atua há quinze anos em Santa Maria na área ambiental entre outras.

Lia está sempre testando materiais para fazer seus quadros, transformando em arte o que para alguns de nós não tem mais valor. “Eu tenho como filosofia aproveitar materiais que, de outra forma, seriam jogados no lixo. Acredito que através da arte é possível conscientizar as pessoas a respeito da reciclagem”, afirma.

Dica: FADISMA

FADISMA promove palestra - Do global ao local: a questão ambiental em Santa Maria

Por ocasião do dia 5 de junho, dia do meio ambiente, a FADISMA organizou a palestra “Do global ao local: a questão ambiental em Santa Maria”.

Participaram da mesa o Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências da UFSM, Prof. Dr. Adriano Severo Figueiró; a Chefe do Departamento de Hidráulica e Saneamento da UFSM, Profª. Drª. Jussara Cabral Cruz; e o Coordenador do Curso de Engenharia Sanitária e Ambiental, Prof. Dr. Geraldo Lopes da Silveira. O professor de Direito Ambiental da FADISMA, Ms. Márcio de Souza Bernardes, foi o mediador.


A palestra teve como enfoque os problemas ambientais locais. O professor Adriano enfatizou o crescimento urbano desenfreado e a questão imobiliária em Santa Maria. A professora Jussara abordou a forma como as possíveis soluções para os problemas ambientais devem ser negociadas na sociedade e a relevância dos profissionais da área do Direito nesse processo.

Por fim, o professor Geraldo ressaltou o problema do esgoto da cidade, trazendo exemplos que visaram chamar a atenção dos presentes para a falta de preocupação das autoridades com esse assunto.

Todos os participantes da mesa enfatizaram a importância da união entre a área jurídica e a área técnica na questão ambiental para o benefício da sociedade.Ao final da palestra, o professor Márcio falou do espírito de diálogo que sempre é incentivado na FADISMA.

Ressaltou que a interdisciplinaridade é necessária para a resolução dos problemas da sociedade e que esses encontros multidisciplinares são fundamentais para que os alunos expandam seus conhecimentos.

Fonte: FADISMA

Instituto Phytus é Certificado pelo Ministério da Agricultura

O Instituto Phytus é uma organização composta por profissionais que atuam nos segmentos jurídico, agrojurídico e agronômico.

Seu principal objetivo é atender a empresas do setor de agronegócio, desenvolvendo pesquisas e fornecendo capacitações na área fitossanitária (fitopatologia). Para isso, conta também com uma Estação Experimental certificada pelo Ministério da Agricultura.

Em 28 de agosto de 2008 foi publicada pelo Ministério da Agricultura a Portaria nº 128/2008, que credencia a Estação Experimental do Instituto Phytus - Itaara/RS conforme a Instrução Normativa nº 18/2007, sendo uma das primeiras instituiçoes no Brasil credenciada a desenvolver experimentos de acordo com os procedimentos de avaliação de eficiência e praticabilidade agronômica.

A Instrução Normativa SDA nº 18, publicada em 22 de maio de 2007, estabelece alguns procedimentos para a condução de pesquisas e ensaios experimentais com agrotóxicos, tais como:
  • Sinalização das áreas utilizadas para pesquisa, com restrição de acesso a pessoas não autorizadas;
  • Armazenamento de agrotóxicos com separação física entre produtos comerciais registrados;
  • Piso cimentado nas áreas onde ocorrem captação e destino das águas pluviais contaminadas;
  • Local próprio para destinação de resíduos;
  • Área física adequada para manipulação de agrotóxicos;
  • Separação de lixo;
  • Local específico para descarte de plantas e sementes.

Centro de Manuseio de Agrotóxicos

A Estação Experimental credenciada deve se responsabilizar pela destinação final e adequada das sobras e embalagens de agrotóxicos, produtos agrícolas e restos de cultura provenientes de áreas tratadas, minimizando a contaminação ambiental.






Posto Padoin

Desde a inauguração prima pelo bom atendimento e diferencia-se no mercado em que atua através de promoções criativas e inovadoras para surpreender e encantar seus clientes. Nossa equipe de profissionais recebe TREINAMENTOS CONSTANTES.

O Posto Padoin, operando pela bandeira da Petrobras, inaugurou sua
matriz na data de 02 de maio de 2002, no seu endereço da Av. Walter
Jobim Nº 353, em Santa Maria.

0 comentários:

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Veja todas as postagens

Desenvolvimento e Gestão do Blog: Zope Mídia

  © Free Blogger Templates 'Greenery' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP