30.6.09

Como você deve separar seu lixo?

Há diversos tipos de lixo que devem ser separados para ter destino adequado.
Não basta pensar só em lixo seco e orgânico.
Pilhas e baterias, por exemplo, não se encaixam em nenhuma das categorias das categorias acima. Resíduo farmacêutico ou hospitalar e industrial, também merecem um destino à parte, assim como restos de construção e poda.

  • Veja o que você pode fazer na sua casa: ( Clique na imagem para ampliar)


  • Materiais não recicláveis - Lâmpadas, Pilhas e Baterias de Celular:

    Embale, preferencialmente em plástico e caixa para evitar contaminação ou contato com a pele, e leve ao estabelecimento onde você comprou.

    Veja Lei Municipal - clique aqui!
Veja Mais:

29.6.09

Avião a energia solar lançado na Suíça

Solar Impulse HB-SIA, é o primeiro avião solar planejado para vôo diurno e noturno.

O projeto inclui uma volta ao mundo. A expectativa é que, em 2010, o avião cruze os EUA e, em maio de 2011, dê a volta ao mundo, com escalas em todos os continentes.
Uma bateria de lítio de 400 quilos permite que a energia seja armazenada e faça o avião funcionar à noite.



Fonte: Uol Ciência e Saúde

Veja Mais:

É Lei - Retorne sua lâmpada velha ao estabelecimento onde comprou

Estabelecimentos comerciais são obrigados a receber sua lâmpada fluorescente velha.

:: LEI MUNICIPAL Nº 5031/2007 ::



:: LEI MUNICIPAL Nº 5031, DE 23 DE AGOSTO DE 2007 - MUNICÍPIO DE SANTA MARIA

Dispõe sobre o descarte e destinação final de lâmpadas no Município de Santa Maria.



Extraído da Lei LEI MUNICIPAL Nº 5031:

Art. 1º. Ficam os revendedores de lâmpadas, no âmbito do Município de Santa Maria, obrigados a recebê-las, após seu esgotamento energético ou vida útil, na forma adequada a esse produto, mediante procedimentos de coleta, reutilização, reciclagem, tratamento ou disposição final; e os usuários a entregá-las nesses locais.
§ 1º. Os revendedores a que se refere a presente matéria são os hipermercados, supermercados, mercearias de bairros, lojas que comercializam materiais de construção, lojas de material elétrico, distribuidores, atacadistas e comércio em geral autorizado a comercializar este tipo de produto.

§ 2º. Para o fim de que trata este artigo, consideram-se as lâmpadas que possam contaminar o ambiente e que, por suas especificidades, necessitam de destinação adequada, as fluorescentes e afins que gerem luz a partir de reações químicas, e que possuam em seus componentes substâncias tóxicas, tais como o mercúrio e vapor.

Art. 2º. Os estabelecimentos que comercializam os produtos descritos no Art.1º. ficam obrigados a aceitar dos usuários a devolução das unidades usadas, para os fins determinados na presente lei.

Art. 3º. As lâmpadas recebidas na forma do artigo anterior serão acondicionadas adequadamente e armazenadas de forma segura, obedecidas as normas ambientais e de saúde pública pertinente, bem como as recomendações definidas pelos fabricantes ou importadores, até que lhes sejam repassadas conforme determinação contida nesta Lei.

Art. 4º. Entregue pelos usuários, as lâmpadas usadas ou energeticamente esgotadas, nos termos do Art. 2º., os estabelecimentos que as comercializam, conforme descritos no Art. 1º. informarão às empresas distribuidoras ou revendedoras a lista das lâmpadas que demandam destinação final, a fim de que sejam tomadas as medidas destinadas nesta Lei.




Fonte: Renata Quinto Pauletto SMMA - Prefeitura de Santa Maria

Veja mais:

28.6.09

Lixo Tóxico - Lâmpada Fluorescente - Evite contaminação!

Você sabia que as lâmpadas fluorescentes compactas ou tubulares, contém mercúrio, substância tóxica nociva ao ser humano e ao meio ambiente?



Sabia também que a cidade de Santa Maria tem legislação específica?

Que obriga a todos os revendedores de lâmpadas, a recebê-las, após seu esgotamento energético ou vida útil?


Exerça seu direito de cidadão e retorne as lâmpadas ao local onde comprou. ( Não há necessidade de comprovação de compra por Nota Fiscal, informa o Serviço Linha Verde da Prefeitura Municipal).

Sabia que intoxicação por mercúrio causa fadiga, dor de cabeça, insônia, nervosismo e incoordenação...?

Veja mais aqui sobre Toxidade das Lâmpadas Fluorescentes!

Veja mais:

26.6.09

Veja vídeo comercial de TV - Pense Verde

Primeiro VT da campanha

Tema: LIXO

(Colaboração, alunos do Colegio Marista Santa Maria)



video


Veja mais:

Veja - Toxidade das Lâmpadas Flourescentes

TOXIDADE DAS LÂMPADAS

Se rompidas liberam vapor de mercúrio, que será aspirado por quem as manuseia.



  • Efeitos:
O mercúrio pode chegar até ao cérebro, infiltrando-se a partir dos pequenos vasos sanguíneos que o irrigam. Também se infiltra no leite materno e no feto. Altera as estruturas das proteínas, desativando os sistemas enzimáticos e causando lesões nas membranas celulares. Os principais prejuízos estão relacionados com o sistema nervoso.

  • Sintomas:
Se o mercúrio tiver sido inalado e a dose for baixa e prolongada, causa fadiga, dor de cabeça, insônia, nervosismo e incoordenação. Se tiver sido ingerido, causa inflamação da boca e gastrintestinal, náuseas, vômitos e dor abdominal.

  • Fontes:
Lâmpadas fluorescentes quebradas, amálgamas dentárias, termômetros, o desinfetante de mercúrio cromo, alguns medicamentos antiparasitários e laxantes, cosméticos, ceras para assoalho, água potável, produtos contra pragas. O ar contaminado das cidades também é uma fonte considerável de contaminação. Os peixes acumulam-no no seu tecido gordo, em especial os de vida longa, como o atum e o peixe espada.

Veja Mais:

A História das Coisas - Origem do Consumismo

O vídeo mostra os problemas sociais e ambientais criados como consequência do nosso hábito consumista.

Demonstra com muita propriedade, de forma simples e objetiva, as lacunas do nosso sistema, e como podemos revertê-lo, porque, como diz a Guru Ambiental Annie Leonard, "não foi sempre assim".



Fonte: www.storyofstuff.com

Dica: Marcia Moura - Coordenadora de Eventos RBS TV

Veja mais:

25.6.09

Práticas Sustentáveis - Minami Motors

Na Minami a ordem é reduzir, reaproveitar e reciclar.

SEPARAÇÃO DO LIXO:

A Reciclagem é uma alternativa para amenizar o problema, porém, é necessário o engajamento da população para realizar esta ação. O lixo pode ser separado de diversas maneiras e a mais simples é separar o orgânico do inorgânico (lixo molhado/ lixo seco).

Esta é uma ação simples e de grande valor.

Todo lixo produzido, normalmente é recolhido pelos caminhões e levado até as centrais de reciclagem e lá é separado e classificado para o reaproveitamento.

Muitas famílias sobrevivem da venda deste material. A separação do lixo, orgânico (molhado) do inorgânico (seco), é importantíssima para o processo da reciclagem, uma vez que, quando misturado dificulta o processo de "garimpagem" dos catadores de lixo.
Na Minami Motors existem lixos específicos para cada material a ser descartado. Principalmente os não recicláveis altamente poluentes.
Dica: Tanise Pozzobon - Minami Motors

24.6.09

Doe seu eletrônico para o CMID

A Escola Marista Santa Marta mantem um projeto chamado CMID
(Centro Marista de Inclusão Digital)

Se você não sabe o que fazer com seu monitor velho, aquela impressora que só ocupa espaço no quarto ou mesmo alguma peça ou componente sem utilidade atual.

Doe para esse projeto!

Ligue para 3212 - 5373 e se informe com Ana Cláudia sobre a possibilidade de coleta na sua residência ou em algum ponto da cidade.
Vá para a página do CMID, aqui!

O espaço foi conquistado por meio de uma iniciativa do Centro Social Marista, com apoio da Prefeitura. Ao todo, o Centro atende 945 pessoas que são cadastradas, residentes na Nova Santa Marta e também da Vila Prado e Cohab Tancredo Neves.

O Cmid oferece 22 computadores, dispostos em duas salas, uma de lazer e entretenimento e outra de pesquisa. Segundo a monitora do Centro, Ana Cláudia Campos, são atendidas pessoas de 13 a 70 anos de idade.

Veja no Blog dos alunos da escola o aproveitamento... lixo vira elemento educativo!


Se você reside no estado de São Paulo ou Rio de Janeiro, a empresa Lixo Digital tem serviço de coleta desses materiais. Também poderá pesquisar outras empresas na listagem da RECICLOTECA.

Veja as Práticas Sustentáveis - RBS Santa Maria

Veja como ações simples acabam fazendo uma grande diferença no ambiente e no seu bolso.

Práticas Sustentáveis - RBS Santa Maria:

  • Extinção do uso de copo plástico e adotaram o uso de garrafas de água:
Diminuição do consumo de plástico e consequentemente de lixo, além de estimular os colaboradores a ingestão de beber água com mais frequência.

  • Destino ao lixo tóxico - Pilhas, Cartuchos e Baterias:
Armazanagem dos produtos e encaminhamento a DPI recargas que faz a coleta destes produtos.

  • Reaproveitamento de pneus da frota de carros:
Os pneus velhos, foram transformados em canteiros na área de estacionamento. Uma maneira elegante e simples de organizar o fluxo dos carros, além de dar espaço ao clorido das flores.

  • Implantação de redutores em todas as torneiras da sede:
Obteve-se uma redução de 50% do consumo de água.

  • Reutilização de folhas de papel:
Utiliza-se os 2 lados para impressão e folhas pequenas que tem impressão num dos lados, faze-se blocos risque-rabisque e distribui-se para uso dos colaboradores. Gera uma economia de 2 caixas de papel ao mês = R$ 240,00/mês.

Dica: Rosemar Thies - Departamento Finaceiro RBS Santa Maria.

Veja mais:

Quanto se economiza reaproveitando papel?

Foi para responder a esta e outras perguntas que Rosemar Thies criou o jornal interno 'NEWS NATURE' da RBS Santa Maria.

Veja as dicas da Edição 9:

Papel:
  • A cada 28 toneladas de papel reciclado evita-se o corte de 1 hectare de floresta (1 tonelada evita o corte de 30 ou mais árvores)



  • A produção de uma tonelada de papel novo consome de 50 a 60 eucaliptos, 100 mil litros de água e 5 mil KW/h de energia. Já uma tonelada de papel reciclado consome 1.200 Kg de papel velho, 2 millitros de água e 1.000 a 2.500 KW/h de energia
  • A produção de papel reciclado dispensa processos químicos e evita a poluição ambiental: reduz em 74% os poluentes liberados no ar e em 35% os despejados na água, além de poupar árvores.
  • A reciclagem de uma tonelada de jornais evita a emissão de 2,5 toneladas de dióxido de carbono na atmosfera.
  • O papel jornal produzido a partir das aparas requer 25% a 60% menos energia elétrica do que a necessária para obter papel da polpa da madeira.
Dica: Rosemar Thies - Departamento Finaceiro RBS Santa Maria.

Veja mais:

Como o consumo de carne afeta o clima? (Arnaldo Jabor)

Arnaldo Jabor fala à CBN sobre os problemas causados ao meio ambiente pelo consumo de carne e derivados.

Com seu característico
humor, Jabor trata do assunto que seria engraçado se não fosse trágico: o pum da vaca. Sim, a influência do gás Metano das fezes animais e consequências no aumento do efeito estufa.




Veja mais:

23.6.09

Como o plástico afeta a fertilidade humana?

Documentário da BBC de Londres - Título original "Assault on the male".

O Documentário Agressão ao Homem, mostra como substâncias contidas em plásticos, detergentes e enlatados podem agir como hormônio feminino, afetando a fertilidade humana e dos seres vivos!

A tradução é do Núcleo de Eco Jornalistas do Rio Grande do Sul e foi realizada no estúdio da Faculdade de Comunicação da UFRGS.

O filme está dividido em 5 partes curtas no youtube. Os links estão abaixo do vídeo.

Segue a primeira parte aqui:


Parte 1
http://www.youtube.com/watch?v=9WUJ-hmAqJg

Parte 2
http://www.youtube.com/watch?v=GCGF5GAg-lQ

Parte 3
http://www.youtube.com/watch?v=-kEPT4wDWd8

Parte 4
http://www.youtube.com/watch?v=1zQy7Pg1El4

Parte 5
http://www.youtube.com/watch?v=N251XD6nzdk

Fonte: www.nossofuturoroubado.com.br

Veja mais:

Marista Santa Maria reaproveita seu lixo!

Projeto “Cuidando da Vida”

Para proteger o meio ambiente é preciso que cada um faça a sua parte.

Partindo dessa premissa, o Serviço de Pastoral do Colégio Marista Santa Maria lançou este projeto de reciclagem de lixo produzido em ambientes de estudo e recreação. Papéis, latas, plásticos, tudo é colocado em lixeiras seletivas, recolhido e encaminhado para a seleção.

O projeto, iniciado em julho de 2007, surgiu da necessidade de reaproveitar materiais recicláveis e também de criar uma consciência ecológica entre a comunidade escolar. Todos são incentivados a participar. Alunos que integram a Pastoral Juvenil Marista (PJM) e professores estimulam os estudantes a utilizar as lixeiras seletivas.
As próprias lixeiras seletivas utilizadas no projeto são produzidas com materiais reciclados.


Classes velhas e recipientes plásticos que seriam descartados para o lixo ganharam novas cores e utilidades servindo para ajudar a preservar o meio ambiente. (Foto: Arquivo Colégio Santa Maria)

Nas salas de aula e nos setores do Colégio, professores, alunos e funcionários têm à sua disposição recipientes que são destinados a recolher os materiais recicláveis para que tudo seja reaproveitado.

Confira a tabela dos materiais recicláveis recolhidos desde o início do ano (clique na imagem para ampliar):


22.6.09

Lixo Tóxico - pilhas e lâmpadas fluorescentes

O que fazer com produtos tóxicos?

  • Pilhas e baterias de celular velhas contêm substâncias tóxicas que contaminam o solo e os lençóis freáticos. Separe todas elas, ensaque-as, evitando contato direto com a pele estando rompidas, e leve-as a um posto de coleta perto da sua casa.

  • Prefira as pilhas recarregáveis às pilhas descartáveis.

  • Não misture as lâmpadas fluorescentes com o lixo doméstico. Quando quebradas, lançam mercúrio tóxico ao ar que você pode aspirar e permanece no ambiente. Armazene-as em recipiente adequado ao transporte, para não quebrar e leve ao comerciante de onde comprou e exija destinação adequada.
OBS: Não coloque esses produtos junto ao lixo orgânico pois certamente, do lixão, acabarão em córregos, rios, lagos sendo armazenados nas células de gordura dos peixes, os quais poderão estar no nosso almoço amanhã ou depois.

Quanto se economiza reciclando o lixo?

O que se perde nos aterros e lixões do País:

VIDRO - A produção de vidro pela reciclagem reduz em 20% a poluição do ar e em 50% a poluição da água relacionadas à produção.

LATA DE ALUMÍNIO - A reciclagem de uma lata de alumínio dá origem a uma nova lata de alumínio, economizando energia suficiente para deixar acesa uma lâmpada de 100 watts por 20 horas.

PAPEL - Uma tonelada de papel reciclado economiza 10 mil litros de água e evita o corte de 17 árvores.

PLÁSTICO - Cada 100 toneladas de plástico reciclado economiza 1 tonelada de petróleo.

LIXO - A incineração de 10 mil toneladas de lixo cria um emprego, o aterramento da mesma quantidade cria seis empregos e a reciclagem desse montante de lixo cria 36 empregos.

Separe seu lixo em casa e dê destino consciente, se não houver coleta seletiva onde você mora.

Lixão, não é local para matéria-prima reaproveitável.

21.6.09

O que você pode fazer - Práticas sustentáveis em Casa

Guia interativo de economia de energia e sistemas de autosustentabilidade caseira

Para, você ter à sua disposição uma casa muito mais eficiente, econômica e sustentável.

Melhore suas atitudes em relação ao meio ambiente e à humanidade, reavalie a eficiência de seus equipamentos e instalações, evite os desperdícios.


Veja várias ações simples para fazer em casa. Clique na imagem!

Dica de: Miria Batista. ( Comente ou mande sua dica também! )

Vídeo HOME - O MUNDO É NOSSA CASA

O Filme do fotógrafo francês Yann Arthus Bertrand é um chamado belíssimo a nossa consciência. ( Ainda não foi lançado no Brasil )

A você que vive num grande centro, talvez em uma metrópole e está confortavelmente sentado, abre a torneira e dela ainda sai água...

Talvez você resida na zona rural e ao abrir sua janela tem o privilégio que muitos não tem de ver pássaros e árvores...

A você que pensa que é livre para fazer suas escolhas e ninguém tem nada haver com isso, pois não está fazendo mal a outra pessoa a não ser a você mesmo...

A você que ainda, assim como eu, por padrão alimentar cultural, pensa que deve comer carne todos os dias...

A você que é mãe ou pai e tem amor aos filhos e pensa que eles terão um futuro próspero...

Quem sabe você pense... isso está muito longe daqui, ou de acontecer comigo... eu lhe respondo, POR AMOR, veja esse filme:

Link para versão em português!


FADISMA Santa Maria

FADISMA incia Processo de Separação e Doação de Recicláveis

FADISMA doa 286kg de Recicláveis para ASMAR

No dia 25 de setembro, a Associação dos Selecionadores de Material Reciclável (ASMAR) esteve na FADISMA para recolher aproximadamente 20 caixas contendo jornais, materiais de divulgação e folhas de papel.

Ao todo, foram doados 177 quilos de jornal e 109 quilos de papel.


A associação é a única certificada pela Prefeitura Municipal de Santa Maria para realizar a coleta de material reciclável.

A ideia é que a ASMAR recolha papéis e plásticos todas as semanas na FADISMA. Com isso, pretende-se dar início a um projeto de separação de lixo nas dependências da Instituição.

Lixo como fonte de trabalho e dignidade

O Lixo como fonte de trabalho e dignidade

A “catação de lixo” não é um fenômeno brasileiro.
Assim como aqui os indivíduos que se dedicam a esse trabalho são chamados catadores, no México são chamados de pepenadores, na Argentina são conhecidos como cartoneros, no Peru são chamados de moscas.

Cada país na América Latina tem um termo próprio para designar os catadores de lixo e, em certos países, seu número está crescendo. Eles podem ser vistos separando sacos de lixo nas calçadas das cidades, parques públicos ou junto a supermercados e residências.

Alguns puxam carroças que pouco a pouco vão enchendo com garrafas plásticas ou latas de alumínio. Homens, mulheres e crianças participam dessa atividade. Em certos países, famílias inteiras de catadores de lixo vivem em cortiços ao lado ou no alto de aterros sanitários que lhes garantem sua única fonte de renda.
A Associação Brasileira de Alumínio (ABAL) calculou que cerca de 150 mil pessoas ganharam a vida em 2002 coletando latas de alumínio no Brasil. A maioria delas realiza esse trabalho de maneira informal, ou seja, sem o reconhecimento do Estado e, portanto, sem garantia de direitos.

Isso se torna preocupante, se pensarmos que a catação de lixo está entre as ocupações mais perigosas e socialmente marginais. Por meio da constante exposição a materiais perigosos e fumaças tóxicas nos aterros, os catadores de lixo estão submetidos a um alto risco de acidentes e doenças. Devido a sua associação com o lixo, essas pessoas tendem a ser menosprezadas.

Entretanto, a perspectiva para os catadores de lixo está melhorando. Nos últimos anos, eles começaram a se organizar em diversas partes da América Latina para melhorar suas condições de trabalho e por fim o seu status de cidadãos de segunda classe. Em muitas cidades, os catadores se reuniram em cooperativas, que lhes permitem coordenar suas atividades com os órgãos sanitários municipais e negociar preços melhores com os intermediários.

Para saber um pouco mais sobre a relação das pessoas e o lixo na cidade de Santa Maria, assista a reportagem feita pela TV Câmara:





A reciclagem traz muitos benefícios, entre eles:

  • gera receitas reais para centenas de milhares de pessoas e com isso ajuda a reduzir a pobreza;

  • propicia um meio surpreendentemente eficaz para reutilizar recursos valiosos, reduzir custos para as indústrias domésticas e melhorar a competitividade econômica;

  • reduz a quantidade de lixo que é descartada, diminuindo com isso a poluição e beneficiando o meio ambiente.

Por todos esses motivos, a reciclagem informal tem potencial para ser uma forma de desenvolvimento sustentável.

O que é necessário é um compromisso dos governos no sentido de apoiar os catadores de lixo, garantindo-lhes que não sejam explorados nem menosprezados e fornecendo-lhes serviços sociais essenciais.
  • Você sabe que tipo de iniciativa governamental vem sendo tomada para melhorar a vida dos “catadores” em nosso país?
  • E em sua cidade? Você sabe o número de catadores existentes e quantos deles estão ligados a empresas ou cooperativas?

Fonte consultada: Banco Interamericano de Desenvolvimento

Dica: Pâmela Marconatto Marques
Coordenadora do Núcleo de Pesquisa e Monografia - FADISMA


Meio Ambiente em exposição na FADISMA

Desde o dia 14 de agosto, o hall da Faculdade de Direito de Santa Maria está abrigando duas exposições fotográficas do ativista ambiental Ari Quadros.


As imagens retratam duas realidades diferentes, mas trazem mensagens semelhantes: a importância de cuidarmos do ambiente em que vivemos.


Quadros atua há mais de 20 anos na área ambiental e, atualmente, é Presidente do Conselho Consultivo da Fundação do Rio Ibirapuitã (Funrio), que tem sede central em Alegrete.

Foi a Funrio que ajudou a implementar, em 2002, o “Projeto Ambiental do Cilon Rosa”, iniciativa que deu origem a uma das exposições que estão na FADISMA. “A Batalha Ambiental do Cilon Rosa” registra o ambiente desgastado e depredado da escola, o esforço da comunidade escolar para mudar essa situação e os resultados que foram conseguidos.

Já “Fernando de Noronha: Paraíso Ameaçado” registra alguns momentos da estada de Quadros na ilha no ano de 1994. O ambientalista ficou cerca de dez dias em Fernando de Noronha, retratando toda a beleza natural do lugar e também as áreas devastadas da ilha.

As exposições ficarão na FADISMA até o dia 31 de agosto. Para conferir basta se dirigir ao hall da Instituição, na rua Duque de Caxias, nº 2319.

O horário de funcionamento é das 8h às 12h e das 14h às 22h de segunda a sexta-feira, e das 8h às 12h aos sábados. Escolas podem agendar visitas pelo telefone 3220 2500.


FADISMA adere ao consumo consciente!

No início deste ano, a FADISMA se propôs a reduzir a quantidade de papel de ofício utilizada na Instituição.

Note você que na adoção de uma simples medida (redução de papel),somam-se reduções no âmbito energético, vida útil de equipamentos... o que equivale a menos árvores cortadas, menos poluentes jogados ao meio ambiente, menos energia gasta, menos água desperdiçada.

Em 2008, foram gastas 253.500 folhas. A meta para este ano é reduzir essa quantidade em 50%.

A avaliação realizada no primeiro semestre de 2009 confirma que a FADISMA está no caminho para alcançar a sua meta.

No primeiro semestre de 2008
, a Instituição consumiu 134.000 folhas de papel, já no mesmo período de 2009 a quantidade foi reduzida para 62.500 folhas.


Dentre as políticas adotadas estão pequenas medidas que apresentaram bons resultados
:

  • Entre elas a utilização da frente e do verso das folhas
  • Elaboração de relatórios virtuais que dispensam a impressão
  • A disponibilização de material pedagógico dos professores através de meio virtual no portal acadêmico
  • E a conscientização e aplicação de metas de consumo entre os setores da Instituição.

Além da diminuição da quantidade de papel utilizada, o consumo consciente incentivado na FADISMA acarretou outros benefícios:

  • Redução no consumo de cartuchos de impressora
  • Diminuição da depreciação dos equipamentos de impressão
  • E a redução no consumo de energia elétrica

Arte - FADISMA sedia exposição onde o Lixo vira Arte

FADISMA sediou até o dia 30 de junho a exposição da artista Lia Sartori que usa recicláveis em suas obras.

Os alunos do 8º ano da Escola Dom Antônio Reis foram visitar a exposição “Arte ambiental, consciência ecológica fundamental” .


O professor de Artes Visuais, Gesiel Freire, acompanhou os estudantes. “A idéia é que os alunos consigam verificar na prática aquilo que é visto em sala de aula. Esses quadros são interessantes porque a artista reaproveitou materiais”, afirma o professor.

A exposição esteve na FADISMA até o dia 30 de junho. As obras são da artista Lia Sartori que alia criatividade, materiais não perecíveis e a vontade de ajudar a preservar o meio ambiente em seus quadros.


LIA SATORI - ARTE E RECICLAGEM

Tudo começou em um dia chuvoso no ano de 2007. Após criar a primeira obra, em que utilizou pregos, Lia não parou mais. Atualmente, possui cerca de 45 quadros. Além disso, a artista também é advogada. Ela atua há quinze anos em Santa Maria na área ambiental entre outras.

Lia está sempre testando materiais para fazer seus quadros, transformando em arte o que para alguns de nós não tem mais valor. “Eu tenho como filosofia aproveitar materiais que, de outra forma, seriam jogados no lixo. Acredito que através da arte é possível conscientizar as pessoas a respeito da reciclagem”, afirma.

Dica: FADISMA

FADISMA promove palestra - Do global ao local: a questão ambiental em Santa Maria

Por ocasião do dia 5 de junho, dia do meio ambiente, a FADISMA organizou a palestra “Do global ao local: a questão ambiental em Santa Maria”.

Participaram da mesa o Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências da UFSM, Prof. Dr. Adriano Severo Figueiró; a Chefe do Departamento de Hidráulica e Saneamento da UFSM, Profª. Drª. Jussara Cabral Cruz; e o Coordenador do Curso de Engenharia Sanitária e Ambiental, Prof. Dr. Geraldo Lopes da Silveira. O professor de Direito Ambiental da FADISMA, Ms. Márcio de Souza Bernardes, foi o mediador.


A palestra teve como enfoque os problemas ambientais locais. O professor Adriano enfatizou o crescimento urbano desenfreado e a questão imobiliária em Santa Maria. A professora Jussara abordou a forma como as possíveis soluções para os problemas ambientais devem ser negociadas na sociedade e a relevância dos profissionais da área do Direito nesse processo.

Por fim, o professor Geraldo ressaltou o problema do esgoto da cidade, trazendo exemplos que visaram chamar a atenção dos presentes para a falta de preocupação das autoridades com esse assunto.

Todos os participantes da mesa enfatizaram a importância da união entre a área jurídica e a área técnica na questão ambiental para o benefício da sociedade. Ao final da palestra, o professor Márcio falou do espírito de diálogo que sempre é incentivado na FADISMA.

Ressaltou que a interdisciplinaridade é necessária para a resolução dos problemas da sociedade e que esses encontros multidisciplinares são fundamentais para que os alunos expandam seus conhecimentos.

Fonte: FADISMA

Related Posts with Thumbnails

Seguidores

Veja todas as postagens

Desenvolvimento e Gestão do Blog: Zope Mídia

  © Free Blogger Templates 'Greenery' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP